24 de outubro de 2010

POETISA NUA






Conto quantos contos conto
Na esperança de desencontrar
O desencanto...
Que desfaz em mim
O dom, o tom,
A cor da poetisa
Emaranhada no desconforto
Desse descanso não opcional...

Versos, rimas, métricas,
Eu lírico??

Onde??

Nos contornos do ser falido,
Na falsa transparência
Do ser mal feito
Nas turvas curvas sem caminhos.

E, lá por longe,
Foi-se a poesia
Sem sandálias e versos,
Despida e desencantada...
A poetisa nua
Em versos de dor...
Dolorosas verdades...

(VALéria CRIStina)

(Noite,...outubro/2010,...Vazio....)

2 comentários:

Tatiana disse...

Linda Val...
Que maravilha são as suas palavras!!!
Que a sua semana seja rica em momentos de muita felicidade.
Beijos com o meu carinho

Leila Bayer disse...

Val estou com tanta saudade q esta doendo...
BJKS
Chrys
;)